Acesso ao colaborador

Primeiro acesso? Clique aqui.
Nota de repúdio da BRASFORT à intriga veiculada em grupos de WhatsApp:

A BRASFORT manifesta repulsa ao texto atribuído a seu diretor, absolutamente fora de contexto.
A BRASFORT é empresa estabelecida há mais de 30 anos no Distrito Federal e sempre respeitou a legislação trabalhista, bem como todos os direitos dos trabalhadores, inclusive mantendo a folha de salários e benefícios absolutamente em dia, mesmo com atrasos dos tomadores de serviços, como os públicos e noticiados pela grande mídia nos anos de 2014 e 2015.
O que ocorre é que a circunstância do ano eleitoral, tem atrapalhado as negociações da data-base 2018, com manipulação das informações e interesses da categoria dos vigilantes do DF.
As negociações da data-base 2018 foram iniciadas em dezembro de 2017, e desde então, já ocorreram mais de 20 reuniões para negociações, algumas inclusive com mediação Ministério Público do Trabalho.
Assim, o Sindicato Patronal vem mantendo a ética com a responsabilidade devida, conforme se depreende na última mediação, cópia em anexo, realizada pelo Ministério Público do Trabalho PA-MED nº 000413.2018.10.000/8, que se destaca:
Pelo sindicato patronal foi feita a seguinte proposta: “condicionar à imediata extinção da greve: reajuste do salário de 2,06%; ticket alimentação de 2,06%; revisão (redução) dos valores do plano de saúde, no qual será constituída uma comissão conjunta, proposta pelo Chico Vigilante e acrescida pelo SINDESP/DF a qual deverá ser concluída em até 15 (quinze) dias, e odontológico com melhorias de cobertura e serviços oferecidos em ambos; ratificação e homologação de todas as cláusulas constantes no Anexo I da última ata de negociação acordada entre os sindicatos, levando a dissídio apenas as questões em discordância constantes nos Anexos II e IlI da última ata de negociação acordada entre os sindicatos”.[grifo nosso]
Pelo sindicato dos trabalhadores foi feita a seguinte proposta: “repetição das cláusulas constantes na sentença normativa de 2017; reajuste salarial de 3,1%; reajuste do auxílio alimentação de 6,8%; abono dos dias parados e nenhuma punição ao trabalhador que aderiu ao movimento paredista.”

Logo, se existe a proposta de reajuste do vale alimentação em ata mediada pelo Ministério Público do Trabalho, cópia em anexo, assinada pelos representantes do SINDESP x SINDESV, logo cai por terra as mentiras e trapaças tentadas especialmente contra a BRASFORT.